Termina mais uma etapa do Plano Municipal de Saneamento Básico de Areal

As empresas do consórcio, Encibra e Paralelo I, estiveram presentes na manhã de segunda-feira (17), no CIEP de Areal, para realizar o Seminário Técnico do Plano Municipal de Saneamento Básico. Durante a reunião foram apresentados os diagnósticos e prognósticos obtidos através de pesquisas realizadas junto à população arealense e das visitas técnicas em diferentes locais do município. Foram avaliados os problemas relacionados à água, esgoto e drenagem.

As questões de abastecimento de água e tratamento do esgoto foram apontadas como prioritárias pela população, segundo o relatório apresentado. A partir desse mapeamento, a equipe do consórcio pôde elaborar um plano com ações para solucionar os problemas acima citados. Algumas das medidas apontadas foram: criação de tarifa para evitar o consumo supérfluo de água; construção de novos sistemas de abastecimento independentes, com reservatório adequado para atender a demanda, em todos os bairros da cidade; instalação de novos hidrômetros; instalação de fossas sépticas em todos os domicílios, entre outros.

Apresentação dos diagnósticos e prognósticos.
Apresentação dos diagnósticos e prognósticos.

As empresas destacaram também a importância do trabalho do Conselho Municipal de Meio Ambiente para regular e fiscalizar as futuras obras, projetos e programas desenvolvidos pela Prefeitura e secretaria de Meio Ambiente, baseados no Plano Municipal de Saneamento Básico. Além disso, a participação da população é primordial para a conclusão do Plano e das ações futuras que serão idealizadas pelo órgão público. É preciso que todos estejam presentes em todas as etapas para discutir o processo e apresentar sugestões ou reclamações.

De acordo com secretário de Meio Ambiente, Juvenal de Souza Brasil Neto, a realização do Seminário foi muito positiva, já que representa um avanço na área de saneamento básico para o município. “A Audiência Pública, que acontecerá dentro de 15 dias, servirá para a manifestação de todos os segmentos da sociedade, com o objetivo de concluir o Plano Municipal de Saneamento Básico e transformá-lo em Lei. E, consequentemente, será monitorado pela sociedade através do Conselho Municipal de Meio Ambiente”, conclui.